terça-feira, 22 de março de 2011

100 ÁLBUNS ASSUSTADORES #11




Provavelmente, os Kiss My Jazz ter-me-iam passado despercebidos não se desse o caso de muitos dos seus elementos estarem intimamente ligados aos belgas dEUS. Doc’s Place Friday Evening (1996) é um registo ecléctico que tem no jazz e na improvisação a sua matriz. Tudo gravado em rudimentares gravadores de 4 e 8 pistas, mas com um sentido artístico e um refinamento musical ímpares. Instrumentos de sopro, guitarras, percussão, baixo, registos vocais entre o sussurro e a conversa de café, brinquedos de plástico… compõem o ramalhete. Não é difícil vislumbrar referências nos cerca de 20 temas disponibilizados, quer quando as guitarras enveredam por registos funky, quer quando assumem um groove quase Kitsch, mas logo essas referências são superadas por intromissões sónicas, ruídos, experiências sonoras que nos desviam dos percursos mais comuns da imaginação. A sujidade que tinge a maioria dos temas também não facilita a tarefa auditiva, exigindo antes uma postura liberta de preconceitos e de estereótipos. Bodybag, por exemplo, é descrito como um tributo a Chet Baker que resvalou para uma «film noir mortuary song». Infelizmente não se encontram muitas destas pérolas por aí à solta. Consegui desencantar este momento que talvez ajude a ficar com uma ideia de como o caos funciona.

1 comentário:

Efémera disse...

Fiquei bastante surpreendida de encontrar este álbum aqui, no bom sentido. Já é de há tanto tempo e tão "desconhecido" que é de admirar que apareça, bem pelo menos a mim admira-me!
Mesmo estando ligados aos dEUS ainda é preciso procurar bem ;)
Eu cá por mim cheguei até eles não tanto pelo Rudy Trouvé, mas pelo Mauro Pawlowski, de quem colecciono raridades musicais. Um dos melhores músicos europeus sem dúvida.

Cumprimentos