quinta-feira, 27 de junho de 2013

TUDO NO SEU LUGAR


Não invejo quem dorme descansado, nem quem consegue voltar as costas a um quarto minguante. Deito-me às escuras a olhar para a lua, levanto-me da cama, sento-me na varanda e fecho os olhos. Ouço alguns carros passar, grilos, cigarras, um gato, pássaros cujo nome desconheço, concentro-me mais um pouco e quase me sinto tentado a jurar que ouço a lua. Escuto a sua saturação, um lamento desprezível que me apresso a anotar num caderno. Logo sou interrompido pelos ossos fracos da cama. E escrevo: amo a lua a desnascer, invejo seu rumorejar, queria tanto poder regressar a onde de nunca parti e aí me refazer, porque é triste este não me suportar sem ter como deixar de o ser. Rasuro o que escrevo porque me entedia o tom, já não suporto esta lamúria que me persegue como um eco e me deixa desconfortável porque me reduz à sombra que arrasto pelos dias. Volto a concentrar-me na lua e penso, assim é que está certo: ela lá em cima, eu cá em baixo e o mundo a dormir à nossa volta.

Sem comentários: