sexta-feira, 23 de agosto de 2013

100 ÁLBUNS ASSUSTADORES #90



Depois da onda trip-hop ter rebentado na costa britânica com projectos claramente enraizados na música pop, foram vários os destroços que vieram à superfície. Serviram para percebermos que debaixo das vagas aparentemente pacíficas do dub havia muito a explorar. Do Japão, a dupla constituída por Michiharu Shimoda e Takahiro Haruno brindou-nos, primeiramente, com um conjunto de temas encostados ao acid jazz que então vogava nas águas mais exigentes da música electrónica. Potential Meeting (1993) foi/é um encontro admirável, à semelhança do que fizeram os US3, do jazz com o hip-hop e a electrónica. Firm Roots, o registo de 1996, levou os Silent Poets para altos mares, territórios, digamos assim, indefinidos, eclécticos, sincréticos. O álbum passou despercebido. Como, de resto, toda a literatura de viagens destes poetas. Merecia sorte diferente. Temas como Stowing Away estão entre o melhor que se produziu na ilha hop de então, embora seja, reconheça-se, exemplo raro num projecto mais interessado em explorar as vantagens de registos onde várias dimensões musicais pudessem conjugar-se. Jazz, world music, pop, dub, trip-hop podem ser conceitos criticamente vazios para exprimir o catálogo de paisagens oferecido pelos Silent Poets. Foram referidos nos thanks & respects, como seria de esperar, nomes familiares neste universo: Nobukazu Takemura, Little Creatures, Spiritual Vibes, DJ Krush, a editora Ninja Tune, Cold Cut, a dupla vienense Kruder & Dorfmeister, etc. Quem desconheça, procure. Vale o esforço. Mas para além dos nomes, dos encostos, das aproximações, dos conceitos,  das familiaridades, importa sublinhar a singularidade de um projecto empenhado em vogar contra a corrente, ampliando construções rítmicas, desdobrando fusões, fomentando um discurso musical exigente. Ao sétimo tema, perfeito, o convidado Koji Futaba canta com a espessura de um ameríndio: You need to hear the air / Notice all your sight / Hear the wind Touch the air / Notice I am here. Faça-se então silêncio, ouça-se o ar, a respiração, o vento soprado pelas programações dos poetas.

1 comentário:

Cuca, a Pirata disse...

E ainda estes:

http://www.youtube.com/watch?v=Fg_qL6z8Mw4&list=PL09BED8610A88F0EE