quinta-feira, 5 de setembro de 2013

100 ÁLBUNS ASSUSTADORES #92


Aceitando a discutibilidade da avaliação, sinto-me tentado a declarar Ursula Rucker como filha de um Deus maior. Por variadíssimas e imagináveis razões. Quando Supa Sista (2001) apareceu, oferecendo-lhe uma visibilidade que o primeiro trabalho em nome individual – Supernatural (1994) – não havia almejado, houve quem o associasse ao hip hop. Outros, porventura menos temerários, classificaram este trabalho com o rótulo ambíguo da spoken word. Creio que seria mais honesto admitir a raiz poética destas manifestações. A rede musical está lá, vinda do jazz, da soul, do drum n’bass. De resto, a colaboração entre Ursula Rucker e 4hero, duo maior da chamada música electrónica para pessoas inteligentes, liga a poetisa (não exagero) de Philadelphia a esse lado da cultura urbana. Mas aqui estamos no território da poesia, da pura poesia. O álbum abre com um texto magnífico lido/dito/representado por Daniel ‘Gravy’ Thomas, senhor de uma voz quente como só uma voz negra pode ser. E o texto diz: Who bring me the Exotic River / Who bring me wings of the female Vikings never discovered / Who bring me a driver who takes my range / outside the Star of David to avoid potential bombing. É como que um manifesto, onde se discutirá o papel da arte, a função da palavra numa sociedade desenraizada, assimétrica, absurda, injusta. Mais próxima da canção de protesto do que do lirismo lamentador e tantas vezes lamentável da pop contemporânea, Ursula Rucker é capaz de resumir todas as contradições do ambiente social moderno em versos enérgicos e suficientemente cínicos para nos convencerem da sua justeza. Agradecemos:

Technology
the machine
the computerized wet dream

soaking, sucking

our creativity, our sensitivity
our capability to grasp the concept of humanity
seized up by push-button society
pen and paper rare commodity
flesh and touch drown in obscurity
lost - at cyber sea

Can you
fuck me with your modem
talk dirty while you finger your diseased keys
nigga please

choice and ease don't breed complacency

maybe
you'll download my life
edit my dreams
cut and paste my memories

While Bloods and Crips
claim 8th as last grade completed
seated face to monitor
use gang monikers and symbols
something like imbeciles
on the internet
cause they just did a drive by
but they ain't learned to read yet
but they self promotin' and gun totin'
on the internet

So I have one question

Are we gonna utilize it or become it

utilize it or become it

(...)

Sem comentários: