terça-feira, 24 de junho de 2014

#32


Desde que surgiu à porta do séc. XXI, Devendra Banhart conquistou o coração dos fãs de singer/songwriters norte-americanos de inclinação melancólica com apreço pela folk music. Mas Banhart, jovem com educação artística consistente e ascendência venezuelana, é muito mais do que esse chavão possa encerrar. O seu universo literário deixa-se povoar de uma ironia descomprometida, com momentâneas incursões pelo surrealismo que a sensibilidade musical psicadélica acompanha a preceito. É verdade que as cordas, em registo acústico, predominam, assim como o culto das gravações rudimentares, embora o magnífico Cripple Crow (2005) lhes tenha acrescentado um capítulo ambicioso em termos de produção e qualidade de gravação. É o álbum de Santa Maria da Feira, agradável composição a pensar no público português. O mais interessante, porém, transborda as fronteiras da simpatia. Disco nómada, este Cripple Crow percute várias influências, nomeadamente hispânicas, que resultam numa paleta multicolorida onde piano, flauta e vozes de fundo assumem a mensagem pacifista com elegante nostalgia hippie. Grande momento é este I Feel Just Like a Child:


Sem comentários: