segunda-feira, 21 de julho de 2014

#37


Entre outras virtudes, a Noruega tem a de ser um apreciável viveiro musical. Já aqui referi nomes oriundos dessas paragens nórdicas tais como os Biosphere ou os Röyksopp, as composições a solo de Erlend Øye e as imperdíveis viagens do trompetista Nils Petter Molvær. Mais recentemente, que é como quem diz já lá vão dez anos, deixei-me seduzir pelas canções de Hanne Hukkelberg. Little Things (2005), o álbum de estreia, é um objecto tão estranho quanto irresistível. Hukkelberg tem uma voz doce que procurou beber de um modo personalizado trejeitos das grandes divas do jazz (de Bessie Smith a Billie Holiday, de Dinah Washington a Ella Fitzgerald). No entanto, não se trata de um registo de colagem. É, antes, uma identificação natural que se processa sobre bases musicais distintas. A música que suporta as canções de Hanne Hukkelberg revela-se inclassificável. Vislumbramos, a espaços, elementos jazzísticos, diálogos aparentemente aleatórios e abstractos entre instrumentos vários (harpa, teremim, bandolim, tuba, banjo, sintetizador…), apontamentos lúdicos com instrumentos de percussão, sendo que do caos sonoro inicial acaba sempre por surdir uma melodia encantadora e cativante como, por exemplo, a do tema final, intitulado Boble:

Sem comentários: