terça-feira, 26 de agosto de 2014

ANIMAIS DOMÉSTICOS 3

*
Envelhecer é ir assistindo ao desaparecimento das nossas referências.
*
Percebes que a cada ano que passa estás mais velho porque a cada ano que passa são mais as referências que (te) desaparecem.
*
Desaparecer não é o mais adequado dos verbos para a morte. Os mortos não desaparecem, nem sequer deixam de existir. Os mortos renunciam.
*
A morte agudiza a consciência, obriga a aproveitar a vida.
*
Relativizar a relevância dos fenómenos: conhecimento.
*
Desde cedo embrenhado no mundo da filosofia, contra todas as espectativas adquiriu o mais prático dos sentidos da vida.
*
Uma teoria filosófica apenas complexifica para tornar tudo mais claro e simples.
*
Perante a consciência da morte, a felicidade surge quase como obrigação. Mas não se força. Aprende-se, desde logo, aceitando com alegria a felicidade dos outros mesmo quando nos sentimos no mais fundo dos desesperos.
*
Não pretender para os outros o que não quero para mim pode não ser a melhor das políticas. Os outros podem querer o que eu não quero para mim. E isso é respeitável.
*
Nada impor.
*
Só os néscios ameaçam de morte. A única ameaça eficaz é o sofrimento.
*
Envelhecer sem sofrimento pressupõe uma contradição nos termos. Ou então pressupõe a pior das ignorâncias. Há quem lhe chame indolência.
*
Não é difícil constatar que a maioria das pessoas se entretém com futilidades, embora isso não determine a sensibilidade ou a insensibilidade que têm. Apenas condiciona o modo de olhar para as coisas.
*
Há que ser cuidadoso na análise de um tecido social como o nosso. Ao reduzirmos o povo à mediocridade das elites políticas reiteradamente eleitas, deixamos na penumbra uma maioria de insatisfeitos. Os que perdem e os que nem sequer vão a jogo.
*
É um facto que a estupidez reina no mundo. Se assim não fosse, o saber seria um bem trivial.
*
Eu morro, tu morres, ele morre, nós morremos, vós morreis, eles morrem. Andamos todos a fazer pela vida, uns respeitando-se mais a si próprios do que os outros.
*
“Estar vivo é estar à morte” — nesta simplicidade, uma filosofia inteira.
*
Nunca conseguirei entender as pessoas que ocupam a maior parte do seu tempo de vida a dizer mal dos outros. Julgar-se-ão eternas?
*
Sempre as sociedades foram compostas pelos que mandam e pelos que são mandados. Regra geral, os primeiros vivem num conforto que os segundos nunca sentirão. Por vezes, os segundos logram importantes conquistas para si próprios. No fim, todos morrem.
*
Não existem filosofias baratas, apenas banalidades.
*
Lutar por uma vida melhor: o menos social possível.
*

2 comentários:

sonia disse...

Muito sábios os conselhos. Até pela simplicidade que é colocada.

hmbf disse...

Grato.