quinta-feira, 11 de setembro de 2014

#42


Ex-vocalista dos Throwing Muses, Kristin Hersh encetou há vinte anos uma carreira a solo com este Hips and Makers (1994). Num registo muito mais despojado, fazendo-se acompanhar quase exclusivamente de uma guitarra acústica, Hersh ofereceu no seu primeiro trabalho a solo um conjunto de canções depuradas mas intensas. Por vezes, um violoncelo reforça o registo lancinante das composições. Há ainda um piano minimalista, quase infantil, que acompanha letras outonais repletas de imagens intimistas. A canção de abertura alcançou algum sucesso, porventura graças à colaboração com Michael Stipe dos populares R.E.M.. Mas o que verdadeiramente surpreende em Hips and Makers são os momentos de expurgação que várias canções encerram, fazendo emergir numa caligrafia clara as perturbações de um ser desassossegado: when I’m free from me / we should all be free. Cantadas sem envolvências artificiosas, num registo tão directo, estas canções adquirem uma consistência que fere e supera o tom geralmente melífluo da voz que as canta. Não estamos numa casa de bonecas, há fantasmas que nos perseguem e precisam ser expurgados. Ignore-se o anúncio:


3 comentários:

manuel a. domingos disse...

este álbum, quando o ouvi pela primeira vez, foi-me uma revelação.

é daqueles que eu digo que me deram cabo da vida

abraço

manuel a. domingos disse...

e se me é permitido: cum catano.

hmbf disse...

do camandro