quarta-feira, 4 de março de 2015

#57



Tenho para mim que as melhores homenagens são quase sempre involuntárias. Dou um exemplo. Possuo dois álbuns de homenagem a Serge Gainsbourg com versões pelos mais conceituados nomes da chamada música alternativa, para não falar do extraordinário Intoxicated Man (1995) de Mick Harvey (revestimento anglófono para as canções do compositor francês). Ainda assim, The Facts of Life (2001), dos Black Box Recorder, é, sem o pretender, uma das melhores formas de homenagear o espírito de Gainsbourg. Este trio londrino, composto por dois músicos conhecidos pelo trabalho desenvolvido nos The Auteurs e nos The Jesus and Mary Chain, acompanhados por uma vocalista que mais do que cantar sussurra-nos ao ouvido quadros domésticos sob luxuriantes melodias, não necessitava sequer de um tema intitulado French Rock’n’Roll para evocar a inspiração do autor de Initials B.B. Logo ao primeiro tema, The Art of Driving, a histórica colaboração de Gainsbourg com Jane Birkin é uma sombra indisfarçável sob a qual se desloca a metáfora instrutória. A arte de conduzir é aqui a busca de um equilíbrio entre o par que dança o erotismo cínico encenado por David Cronenberg no filme Crash (1996). Maquilhadas por melopeias elegantes, as letras destes temas são como carros de guerra a atravessar a costa da Normandia. Estranho e belo, ironia das ironias:


Sem comentários: