terça-feira, 18 de outubro de 2016

#84



A primeira dúvida que um álbum como Skeleton Tree (2016) nos coloca é acerca do papel que ocupa no percurso de Nick Cave & The Bad Seeds. Por consequência, como devemos posicionar-nos face a objecto tão perturbador? Sabendo do luto que o alicerça, jamais essa noção será indiferente à percepção das 8 canções alinhadas com evidente intuito catártico. Assim sendo, parece-me que estamos num interregno sob a forma de expiação. Nick Cave perdeu um filho. Como muitos outros artistas fizeram antes dele, resolveu expressar a dor da perda exercitando-a no contexto da sua arte. Se tivermos em conta o percurso de Nick Cave enquanto singer/songwriter não podemos senão ficar algo decepcionados com o sentimentalismo patente neste conjunto de canções, arquitectadas sobre loops arrastados por orquestrações e arranjos com um único propósito: oferecerem às palavras proferidas, cantadas, murmuradas, o ambiente geral de uma prece. Estendidos como uma passadeira de vento sob a voz, as palavras ecoam como uma espécie de uivo. A voz feminina em Distant Sky é confrangedoramente redentora, assim como a toada rotativa, mântrica, terapêutica das palavras. Skeleton Tree é um álbum difícil por nos forçar a uma complacência que não estaríamos dispostos a ter noutras circunstâncias. Note-se como em I Need You a súplica anunciada no título é acompanhada ao longo das estrofes pela renunciação induzida na frase “nothing really matters when the one you love is gone”. Para que algo volte a ter importância é necessário o regresso do objecto amado desaparecido. Sabendo-se inexequível tal regresso, que relevância atribuir agora às canções?


Sem comentários: