terça-feira, 10 de janeiro de 2017

NECESSIDADE

Ao contrário de muitos e bons amigos, nunca tive jeito para as mulheres. Talvez por isso seja dos únicos que se mantém com uma relação estável vai para 25 anos. Tenho 42, façam as contas. Na verdade, nunca tive paciência para bater couros e os jogos de sedução enfastiam-me. Sou o mais novo de três irmãos, tenho duas irmãs mais velhas, facto que me subtraiu logo a conversa do “tu és a irmã que nunca tive”. A expressão “dar um tempo” irrita-me, a conversa do “desde a primeira hora” inquieta-me e amores à primeira vista são para cegos. Pelo menos, é assim que penso estas coisas. De resto, não gosto assim tanto, tanto, tanto de mulheres que julgue valer a pena perder grande parte da minha vida a inventar-lhes histórias. Bem vejo que à minha volta nada se passa assim, o mundo está repleto de paixões ardentes e as novas tecnologias vieram trazer a todos a fortíssima possibilidade de um encantamento. Dantes chamavam-se esquentamentos. Nada a opor. O que me encaniça, por assim dizer, é esta coisa das paixões à telenovela que não deixa de estar na moda e, com os reality shows (também os das redes sociais), acabam exibidas nas capas de revistas com um despudor que julgávamos ultrapassado pela desenganada evolução das espécies. A conversa é sempre tão obviamente fiada que rapidamente se desfia. Por que é que as pessoas não dizem logo que, no limite, a única coisa que esperam umas das outras é a fantasia de jantares à luz de velas seguidos de massagens eróticas e fodas bem dadas? Já que não estão para se aturar, a paciência é pouca e os dramas amorosos estão pela hora da morte (olhem para as facturas da luz, do gás, da água), mais valia expurgarmos das relações todo o tipo de ralações que o romantismo pífio arrasta. Pinar por pinar, sem segundas ou terceiras intenções, sem subterfúgios, com a natural honestidade de um animal que sacia a sede. Para depois cada um poder seguir a sua vida sem o falso remorso do que poderia ter sido, ai, se amor houvesse, ai, onde apenas, ai, necessidade houve. Ui. 

3 comentários:

Anónimo disse...

boa noite, Henrique,

posso deixar o link?
no meu facebook?

Cristina

hmbf disse...

Claro que sim.

Anónimo disse...

agradecida.
Cristina