terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

AMOR MELANCÓLICO

É inevitável que, ao dia de hoje, venhamos a ouvir Je t’aime moi non plus. No entanto, durante muitos anos a minha canção de amor preferida tinha nome de mulher: Martha, por Tom Waits. Passados os tempos do erotismo e da nostalgia, restam-nos o pragmatismo do amor trágico e o realismo do amor melancólico. Apesar de tudo, acho que é mais saudável viver sem ilusões. Se é que pode haver saúde no amor.



Sem comentários: