terça-feira, 14 de março de 2017

20 ANOS


Em Setembro próximo cumpro 20 anos de palavras impressas. O primeiro dos crimes: aqui. Desses tempos, conservo apenas a epígrafe de Álvaro de Campos e uma forte amizade com o editor do opúsculo. Tudo o mais se perdeu. No próximo Sábado, lá estarei a dar o peito por nova publicação. A Grua nasceu neste weblog, ao contrário dos poemas coligidos numa plaquette intitulada Rogil, entretanto esgotada, que a Volta d’Mar me publicou há cinco anos. Esses poemas andavam espalhados por diários de férias. A Grua é um poema-sequência em 20 estâncias, coloca em cena um sujeito poético auto-exilado e um elemento paisagístico com o qual o sujeito estabelece um processo de identificação. Tem tanto de dramático como de visual. Agrada-me que tenha sido publicado pela Volta d’Mar, 20 anos depois da primeira insónia.

9 comentários:

Marina Tadeu disse...

Oh, e eu a pensar que A Grua era um filme de terror. Parabéns, gringo. Há-de cá chegar.

hmbf disse...

Em parte, pensaste bem.

MJLF disse...

Olá Henrique, puxa já publicas há vinte anos? Do caraças. Parabéns pá saúde e beijinhos

hmbf disse...

Há 20 anos a estragar papel. :-)

Anónimo disse...

Já estás como os cancionistas pimbas, que fazem anos de carreira por tudo e por nada - venham 5, 10 ou 15 anos. Qualquer dia até aos 2 anos é motivo de festa. Então os escrevinhadores também comemoram os anos que escrevem? escrever é um espectáculo...

maria disse...

Grata pelos 20 (frutuosos) anos. Continua!

hmbf disse...

Anónimo, quem falou em comemorar? Foi recentemente publicado um livro que talvez lhe faça falta: "Ioga para Corrigir a Visão". :-)

Ricardo Gil Soeiro disse...

Caro Henrique, muitos parabéns pelo seu itinerário! A poesia portuguesa ficou mais rica com os seus 20 anos de palavras, tanto na arte poética, como no labor crítico. Um abraço grato! ricardo gil soeiro

hmbf disse...

Obrigado. Saúde,