domingo, 28 de maio de 2017

O CAPITALISMO

O capitalismo é bom, gera prosperidade e boas vidas, as dos capitalistas, sobretudo as das oito pessoas mais ricas do mundo que controlam uma riqueza equivalente àquela que se concentra na metade mais pobre da população mundial.
Eu não sou pobre, só de espírito, porque me atenho aos desníveis, isto é, às desigualdades.
O capitalismo é muito bondoso por onde quer que passa, na África Subsariana, na América do Sul, na Ásia, quase toda a Ásia, sobretudo a dos países onde foram fabricados os ténis que as minhas filhas calçam, e no Médio Oriente, onde o ouro negro faz milagres.
O capitalismo tem gerado muitas famílias prósperas, os jihadistas ajudam, nomeadamente os que o capitalismo patrocina, sejam Bin Laden no Afeganistão ou os estetas do Daesh, armados até aos dentes com balas fabricadas na melhor das indústrias capitalistas, uma indústria inigualavelmente próspera.
O capitalismo é o czar de Angola, cujo príncipe acabou de adquirir um relógio ao preço de milhões de vacinas contra a malária.
O capitalismo é do melhor, tem o melhor sistema nacional de saúde e a melhor educação para todos, é universalista, não olha a credos nem a géneros, só a tablóides, boa educação, a dos capitalistas iletrados, a iliteracia do capitalismo é culta, tão culta que se cultiva a si própria.
Eu amo o capitalismo e todos os sues fiéis. Vai uma bifana?