sexta-feira, 11 de maio de 2018

11 DE MAIO DE 2018


Dias sucessivos a rebentar de ansiedade, comichão que irradia dos poros e deixa sensações de desconforto e de fraqueza. A cabeça tropeça em perguntas débeis, dúvidas. Talvez seja medo, talvez apenas horas de sono a menos. Mandam-me as provas de um texto para uma revista, pedem-me outro para um catálogo. Respondo que sim a ambos e tento equilibrar-me nas palavras como o funâmbulo entre as torres. Convenço-me de que ganho os dias sempre que vejo uma nuvem no céu, as gaivotas trinchando o ar com um grasnar agressivo…

Sem comentários: