quarta-feira, 23 de maio de 2018

23 DE MAIO DE 2018


Ontem morreu Júlio Pomar. Uma grande perda para a cultura portuguesa, alguém disse sem se rir. Hoje morreu Philip Roth. Quase de certeza, algures na América, alguém dirá que foi uma grande perda para a cultura norte-americana. Leio algures que João Gilberto passa mal, foi despejado, vive na miséria. Quando morrer, aposto, alguém do Brasil fará chegar-nos a notícia: grande perda para a cultura brasileira. Tudo ao contrário, tudo ao contrário. A cultura nada perde quando um dos seus cultores perece. Os artistas é que se perdem para a cultura. E a política vampiriza essa perda, como o caçador que, iludido com a captura de uma presa, se julga menos mortal do que é na realidade.