sexta-feira, 20 de julho de 2018

20 DE JULHO DE 2018



Via-o todos os dias desde há anos. Quando deixei de o ver, estranhei a ausência. Contaram-me que tinha sido hospitalizado. Durou pouco, muito pouco, até passar a notícia de jornal. Lamento o desaparecimento do Volodymyr, a quem chamávamos Vladimir. Trabalhava lá no shopping, nas limpezas. Cumprimentávamo-nos sempre. Eu com bom dia, boa tarde, boa noite. Ele acrescentando o respeitável "senhor". Pouco sabíamos um do outro, mas havia simpatia. Trocávamos palavras mesmo quando não nos entendíamos. Ele com um português coxo, eu com um “ucraniano” inexistente. Que fique por aqui a memória de ter feito parte dos meus dias. Até sempre, senhor.

2 comentários:

Luis Rodrigues disse...

Bonita Mensagem

Anónimo disse...

Humano.