quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Uma concha de Djuna Barnes apanhada num saco de crustáceos




EM GERAL

Qual a toalha de altar, qual o pano fino
Que não tem um preço?
Para quê lances, truques ao jogo
Sem uma finalidade?
Mas a ti apreciámos-te ainda um pouco
Mais do que a Cristo.

Djuna Barnes, in O livro das mulheres repulsivas, trad. Fernanda Borges, &etc., Junho de 2007, p. 33.

2 comentários:

benjamim machado disse...

esse não li, mas o "bosque da noite" da relógio d'água e o "uma noite entre os cavalos" da hiena são muito bons. belas férias, sim senhor. continua e não te esqueças de ensinar as tuas filhas como fazer croquetes humanos, se elas ainda não souberem.

abraço

hmbf disse...

Já ensinei. :-)