domingo, 25 de janeiro de 2015

BRANDOS COSTUMES

Os jornalistas insistem em referir-se ao Syriza como partido extremista e radical. O que é ser extremista e radical? Talvez defender ideias, conceitos e políticas diferentes dos defendidos por quem paga aos jornalistas portugueses. O extremismo e o radicalismo do Syriza rivaliza com quê? Sendo extremistas e radicais, onde devemos colocar os neonazis da Aurora Dourada? No banco dos réus. Talvez não fosse má ideia sermos menos radicais e extremistas nesta vulgar radicalização dos partidos políticos. Por exemplo, em Portugal o PS, o PPD-PSD e o CDS-PP têm sido radicalmente vampíricos da coisa pública e extremamente nocivos para a sociedade portuguesa. À sua maneira, o chamado arco do poder português é extremista e radical. Além de ser oligárquico, nepotista e burrocrático. A gente aguenta, aguenta, para deleite de ulriches e quejandos.

2 comentários:

Claudia Sousa Dias disse...

Ah, pois aguenta!


Pelo menos enquanto durar esta cegueira voluntária.

Maria Silva disse...

Como adoraria acreditar que outros políticos que não estes conhecidos até agora fariam tão melhor...ou tão pior, quanto estes todos têm feito!...
Pecado mortal: falta de fé. Até em mim.