sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

SEXTA-FEIRA 13

Fica sempre bem lembrar o insigne Professor Herrero numa sexta-feira 13, até porque não falta por aí gente com enormes cagalhões na cabeça. O mais recente tola de penico foi descoberto numa coisa chamada Observador. Mário Amorim Lopes de seu nome não se limita a pensá-lo, tem o desplante de escrevê-lo. Podia fazê-lo, enfim, num diário ou num weblog privado com links para o exterior (vá-se lá perceber a tendência). Amorim Lopes, não satisfeito com a privacidade da sua higiene cerebral, decide disponibilizar ao mundo o seu saber. E, espantem-se, há quem o publique. Aqui.
Não se espantem, hoje em dia publica-se qualquer merda. James Joyce dizia o mesmo no tempo dele. Mas o que afirma a luminária de serviço? Diz, e passo a citar, que anda «a explicar o conceito de custo de oportunidade aos meus alunos de Microeconomia». Entenda-se o efeito da citação, os meus alunos são os dele. E estudam microeconomia. Podia dar-lhes para pior. Nos exemplos é que o professor não é forte. Primeiro:
 
«Um tratamento custa, antes das recentes negociações, cerca de 42 mil euros. Ora, 42 mil euros permitiriam, por exemplo, financiar os seguintes tratamentos ou gastos sociais:
– 14 bypasses coronários
– 140 operações às cataratas
– 6900 refeições em cantinas escolares
– 2 salários anuais de um professor contratado do 2ª escalão do básico ou secundário»
 
Bem sei que tortuosos são os caminhos do Senhor, mas por mais que reze nunca hei-de entender onde pretende chegar o microeconomista com esta micrológica. Temo que estejamos no domínio das chamadas gorduras do estado. Trata-se, antes de mais, de rentabilizar os recursos. E isso é ciência exacta. Ou não. Dito de outro modo, a dúvida é: se podemos pagar 2 salários anuais de um professor contratado do 2ª escalão do básico ou secundário o que justifica que desperdicemos o mesmo dinheiro num único tratamento de Hepatite C? Já viram “O Resgate do Soldado Ryan”? Isto mais ou menos a mesma coisa, só que no universo da microeconomia ninguém tem nada a aprender com o humanismo da missão.
Como é óbvio, a dúvida do professor pressupõe um argumento. Um argumento parvo, isto é, estúpido, mas pressupõe. E esse argumento é: se com 2 salários anuais de um professor contratado do 2ª escalão do básico ou secundário podemos, a título de exemplo, calçar mais de 800 "pés-descalço", então que se quilhem os professores contratados do 2ª (sic) escalão do básico ou secundário. Vamos calçar os "pés-descalço". Tal raciocínio levar-nos-ia longe (porventura a Marte, onde o professor Amorim terá sido concebido debaixo de um calhau vermelho). A miséria é um poço sem fundo, há sempre algo pior do que julgaríamos péssimo. Zenão de Eleia negava a possibilidade do movimento através dos paradoxos da subdivisão. Com os argumentos deste professor seremos capazes de negar a pertinência de qualquer gasto, quanto mais de qualquer investimento. As análises económicas têm este problema, são demasiado analíticas. Embrulham-se tanto na teoria que olvidam a lição mais básica: isto vai ter consequências na vida das pessoas, foda-se. Façam lá as continhas à escassez dos recursos partindo de outras premissas.
Muito haveria a comentar sobre a descarga intestinal do professor Mário Amorim Lopes, mas sejamos poupadinhos nas palavras (não pretendemos viver acima das nossas possibilidades) e saltemos para o remate. Ora tomem lá:
 
Quando financiamos uma peça de Brecht de um qualquer encenador que jura que a cultura deve ser financiada por todos nós, podemos estar a reduzir os recursos disponíveis para mais um tratamento que possa salvar mais uma vida. E sacrificar a vida de uma criança é um preço demasiado elevado a pagar.
 
Pimba! Pum! Zás Trás Pás! Todos sabemos que os comunistas comem criancinhas, faltava revelar que peças de Brecht contribuem para a mortalidade infantil. Contenhamo-nos. Na realidade, o que aqui se subentende é mais simples: para as ortigas com o financiamento da cultura, há criancinhas por salvar. Eh pá, nos meus tempos de filosofia havia aquele dilema kantiano da biblioteca a arder com uma velhinha lá dentro. Salvavam-se as obras-primas ou a velhinha? Num outro contexto, o Gonçalo M. Tavares escreveu sobre algo semelhante recentemente. Sacrificar o pai ou o filho? E a mamã com dois filhos no campo de concentração, qual deve ela sacrificar? No fundo, já não estamos no domínio da microeconomia. Estamos no domínio do dilema moral. Comprar o jornal ou beber um café? Um problema: conheci uma vez um tipo que preferia gastar o pouco dinheiro que tinha em livros a desperdiçá-lo (dizia ele) em bifes. Ele há cada um. Aqui chegados, resta-nos sugerir ao professor Amorim uma receita de São Cipriano: não havendo dinheiro para fragrâncias, aperte-se o nariz à desejada.
O busílis está na pirâmide. Explique lá, estimado professor, o que devemos colocar no topo da pirâmide das nossas preocupações. Podemos dizer, nem um tostão para Brecht enquanto houver uma criancinha com fome. Satisfeita a fome da criancinha, nem um tostão para a fome das criancinhas enquanto houver um sem abrigo. E assim sucessivamente. A paz, o pão, saúde, habitação... e dinheiro público para as maleitas dos bancos. Satisfeitos todos os males, esbanjemos à tripa forra. Terrível, este problema das prioridades. Estava capaz de ir ver uma peça de Brecht para me elucidar, mas ocorreu-me agora que enquanto estive para aqui a desperdiçar tempo com estas vãs palavras pelo menos 150 crianças morreram subnutridas no mundo. Que poderei fazer contra maleita tal? Pensar como um microeconomista talvez não seja solução, até porque os argumentos deste devoram-se a si próprios. São autofágicos (o que é sempre de enaltecer, poupa-se na alimentação). Oram vejam: para quê financiar a peça de Brecht, se temos gente com Hepatite C para tratar? Já podemos trata-los, professor? Está satisfeito? Topam? Se não, pode ser que o Peter Singer dê uma ajuda. Aqui. É uma coisa sobre altruísmo, termo estranho aos manuais de microeconomia.

16 comentários:

MJLF disse...

Henrique, o Observador é merda cocó caca, eu nem linko essa merda.

hmbf disse...

Esta gente ensina nas universidades, escreve nos jornais, aparece nas tvs, fala nas rádios... Fuck! Este país nunca mais se endireita (passe a expressão).

MJLF disse...

O Observador concentra a grande caca do país, é só bostas, essa espécie de jornal foi lançado com uma entrevista ao Skinhead Mário Machado na cadeia, apresentado como bom pai de família, acompanhado pela mulher que supostamente era filiada no PS. É um antro mal cheiroso.

hmbf disse...

ah bom, tudo boa gente. e inteligentes.

MJLF disse...

Aquilo é só FDP's, uma das maiores concentração de caca por m2 no país.

hmbf disse...

Agradam-me os apelidos na ficha técnica e fico feliz por saber que José Manuel Fernandes foi promovido a Publisher. É sempre entusiasmante ter um director geral chamado Rudolf Gruner.

Cuca, a Pirata disse...

Cuidado com o Singer. Diz que não devemos comer carne porque nos estamos a alimentar de pessoas não humanas. Fui obrigada a ler dois livros sobre relativismo moral para me libertar da culpa induzida pelo livro de ética do Singer!!

MJLF disse...

aquilo cheira tudo mal, tu vê lá não visites muito o antro que faz mal à saúde.

hmbf disse...

ah ah ah , conheço bem esse lado do Singer. já me custou muitas e boas horas de discussão, geralmente com um bife na mesa. :-)))

hmbf disse...

a propósito, ontem vi um episódio de CSI Las Vegas onde havia uns tipos que se estimulavam a ver gente a comer (literalmente) partes do seu corpo. não eram canibais, gostavam era de ser comidos. o que diria o singer sobre isto? e se uma galinha gostar de ser comida? poderei comê-la? haverá maneira de saber se uma galinha gosta de ser comida? e o contrário? estou cheio de dúvidas. e, já agora, de fome.

Pedro Góis Nogueira disse...

O que esse neocon nunca poderia ter escrito é que a concepção do medicamento custa no máximo 150 euros á farmaceutica - e já agora, que é vendido muito mais barato em países mais pobres que o nosso, ou pelo menos que não são desse delírio de hoje chamado União Europeia -, mas percebe-se: atentaria contra a sua religião, a neolíberal, seu deus não deixa, é proibido, seria uma infâmia, uma blasfémia.
O pétainzinho da Merkel também achou o mesmo quando disse que "não é custe o que custar" que se salva uma vida humana mas sim fazendo "todo o possível", mas agachado, claro está, que é para poder rezar ao seu deus criminoso. Já a austeridade essa era "custe o que custar"- disse-o ele, mas ou ão se lembra, ou não tem um raio de um acessor que o aponte, mais grave ainda é ter um povo que lhe dá 26% nas últimas sondagens...

hmbf disse...

Só coerência

Cuca, a Pirata disse...

Singer, temo, diria que ainda assim a nossa responsabilidade ética era não comer a galinha e acompanhá-la ao psiquiatra. Mas o teu comentários dá sentido ao facto de, na minha estante, ter a ética prática do Singer guardada ao lado da criminologia do figueiredo dias.

cucamandro disse...

Não desejando mal nenhum ó Sr. Lopes, não deixo de pensar não hipotes dele ou algum filho dele padecer da dita hepatite, será que a análise micro, macro ou nano ou o raio que o parta económica seria a mesma?

hmbf disse...

Pois, a saúde de um filho não tem valor... excepto se for filho dos outros. ;-///

Anónimo disse...

Estive a ler todos estes raciocínios, incluindo do tal economista visionário, e tudo me pareceu uma daquelas equações monstras que depois de simplificadas, ficam resolvidas no valor zero. Acho que o verdadeiro é um problema de natalidade excessiva - isto é se tivessem laqueado as trompas (e as trombas do pai) da mãe destes teóricos da treta, poupavam-nos a paciência e a saúde, ao menos a mental.