quarta-feira, 21 de outubro de 2015

UMA RUBAIYAT DE OMAR KHAYYAM

Se soubesses quão pouco me interessam
os quatro elementos da natureza e as cinco faculdades do homem!
Dizes que alguns filósofos gregos
podiam propor cem enigmas aos seus auditores?
É total a minha indiferença por esse assunto.
Traze vinho, toca alaúde e que as suas modulações
me recordem os da brisa que passa, como nós.


Omar Khayyam (Nishapur, Pérsia, 18 de Maio de 1048 — 4 de Dezembro de 1131), in Rubaiyat - odes ao vinho, trad. Fernando Castro, 3.ª edição (1.ª edição, Moraes Editores), Editorial Estampa, Junho de 1999, p. 47.

Sem comentários: