quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

ELEVADOR

Tenho prestado alguma atenção às pessoas que fazem exercício físico em espaços públicos. Aparentam uma felicidade que me parece autêntica. Há dias, diverti-me a mirar um avô que se balançava num dos aparelhos espalhados ao longo da marginal, em São Martinho do Porto, enquanto a neta sorria ao vê-lo todo divertido. Temi pelo senhor, tal foi a velocidade que imprimiu ao exercício. Parecia querer impressionar a neta, ao mesmo tempo que impunha a si próprio um saudável desafio físico. De frente para o espaço infantil no Parque, foi criada uma área a que deram o nome de Ilha Fitness. Gosto de observar as mães a exercitarem os glúteos enquanto a criançada se diverte nos escorregas, nos balancés, a trepar casinhas de madeira, praticando slide. Quem repare no meu espanto julgará que sou uma espécie de mirone pervertido, mas posso jurar que a única perversão que me move é admirar a dedicação das pessoas ao exercício físico. Nunca me deu para tal. Em tempos, a minha mulher adquiriu uma passadeira cá para casa depois de uma discussão completamente escusada. Eu não queria a passadeira, ela fazia questão que eu a apoiasse na decisão que já tinha tomado acerca desse importante investimento. Foi colocada no sótão e por lá ficou até acabar por ser vendida a uns amigos. Raramente lhe demos uso. Compra-se muita coisa cá para casa que acaba por não ser utilizada, ou nos entusiasma pelo período médio de um brinquedo oferecido a uma criança no Natal. Presumo que os aparelhos de exercício físico espalhados pela cidade tenham outro interesse, espero que tenham outra durabilidade. Aparelhos urbanos de fitness podem salvar o dia a muitos homens de fato e gravata e a muitas mulheres de tailleur e salto agulha. A mim, pelo menos, salvam alguns instantes do dia enquanto observo outros a lhes darem um uso que eu jamais darei. 

2 comentários:

caminhosemsaber disse...

Curioso, sofro de uma certa vergonha por fazer exercício físico à vista de todos. No meu caso, no chão da sala, leio um capítulo de Baudelaire, enquanto faço prancha de cotovelos. O meu sonho é chegar a dois capítulos. :)

hmbf disse...

:-)