segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

PROJECTO




Fernando comprou um livro de poesia com oitocentas páginas
mas só conseguiu ler quinhentas

António sonhou com o Evereste na magnitude
mas só precisava de mudar uma lâmpada

Rita imaginou um poema para Fernando
mas só tinha que aceitar o jantar de quinta

A lâmpada pensou que era um poema
e fundiu-se sem iluminar a sala

Luís aproveitou a escuridão da sala
para dizer a Rita um poema com montanhas

Trezentas páginas que nunca foram lidas
arquitectam com a lâmpada a salvação do mundo




Rui Costa, in A Nuvem Prateada das Pessoas Graves, Quasi Edições, Maio de 2005, p. 30.

4 comentários:

Anónimo disse...

Com e no coração:-)

Uma Rapariga Simples disse...

Ficaram tantas conversas a meio e tantas perguntas sem resposta.

Isabel Branco disse...

A minha humilde homenagem ao poeta Rui Costa, no Programa Dizer Poesia:

http://soundcloud.com/misabelbranco/76-programa-rui-costa-dizer

Rogério Soares disse...

Isabel,


bela homenagem....